16 de abril de 2018

Tudo quanto um homem pode

TUDO QUANTO UM HOMEM PODE

Ele pensava-me -
eu sabia.
O pensamento dele,
mesmo quando corria subterrâneo
e por fora era feito de silêncio,
era para mim que corria.
E eu sabia.
Tudo quanto um homem pode ser para uma mulher,
ele foi para mim. E por isso eu era para ele.
E tudo quanto um homem pode dar a uma mulher.
Se eu tivesse sede, ele quereria dar-me água,
e eu sabia, e que ele quisesse dar-ma era tão fresco
quanto a própria água.
Diante de um amor assim, a boca do universo
fecha-se ao não, não pode dizer não: o mundo curva-se:
tudo é bom, tudo é bom, tudo é bom, até
os frutos nascem sozinhos só da pura vontade de nascer,
acontecimentos organizam-se, levantam-se cidades inteiras
para inventar uma morada onde entrar.
O amor de um homem é um trono
adornado de céu e estrelas e,
toda a gente sabe, a mulher gosta de jóias.

4 de abril de 2018

Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club


Todas as vidas têm lugares vazios. É verdade que não temos por hábito fazer lugar à mesa para quem não está. Já não está. Mas não é difícil vê-los. Basta olhar para as cadeiras desocupadas, de uma sala, por exemplo. Quem nos falta? Ou melhor, quem esteve tão presente ao nosso lado que a sua ausência é uma companhia? Pior. É uma companhia melhor que a de gente que a gente nem sabe quem seja.

Sempre tive amigas. Amigas mulheres. Uma de infância e até à idade adulta. Duas de adolescência e até à idade adulta. Morreram. Também tive um Amor. Maiúsculo. Ficava-me bem dizer que correu mal e acabou. Era dramático e tcharam. Mas a verdade é que correu mesmo bem. Momentos maus? Sim, claro - fazem parte, há lá amor sem arestas, ângulos agudos, bicudos, patetas? Do meu Amor pude dizer o que disse do meu Cão. Foi o amor que sempre quis ter. E, toda a gente sabe, tive o melhor Cão do mundo. Bem se vê, também tive sorte.

Isto esgota a amizade ou o amor? Não!

O problema é que esta gente que nos faz feliz, ou fez, e é fora de série e admirável e tal, dá-nos cabo da vida. Não se conseguem substituir. E dava muito jeito que sim. E fosse fácil. Ou pelo menos possível.

Um adulto não pode ir para a rua e dizer como um miúdo queres brincar comigo? E fazer um amigo. Pronto. Já está. E quando nos dizem em linguagem de crescidos queres brincar comigo... não se consegue inventar um passado comum e o futuro leva uma carrada de tempo e dá montes de trabalho a levantar. Do amor nem vale a pena falar, é igual, só que mais.

Se calhar a melhor solução é inventar um Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club, dançante, cantante, jantante, de debate, viajante, com ginásio e passeios de bicicleta à la carte. Um Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club de porta fechada. Para entrar tem de responder à pergunta: os melhores amigos, o melhor amor e o melhor cão, quem tem? Disse eu? Então, I think this is the beginning of a beautiful friendship, vamos celebrar.

27 de março de 2018

Bem-me-quer, mal-me quer, muito, pouco, nada


MUITO. POUCO. NADA.

O amor acaba.
Várias vezes por dia se desama o amor
só para voltar a amar
umas horas depois,
um gesto, o olhar,
a velha chama a velha cama
acabadas de fazer.
Um dia acaba.
Bem-me-quer.
 Mal-me-quer,
muito, pouco, nada.
Acaba de vez.
Nada arde na ternura velha,
nem chama nem cama,
nada.
Os passos trágicos desta obra
são ridículos vistos de fora -
nem comédia nem farsa,
apenas a desinvestida atenção,
e a tolerância amorosa e triste
que se tem com o perigoso disparate de
uma criança, ali a temos, connosco.
O amor acaba.
Muito. Pouco. Nada.
E encolhemos os ombros e sorrimos
enquanto pensamos: olha, acabou:
- Queres comer alguma coisa ou só café?

25 de fevereiro de 2018

Bonjour Mundo!


Dear future husband
here's a few things
you'll need to know if you wanna be
my one and only all my life
[...]
You gotta know how to treat me like a lady
even when I'm acting crazy
tell me everything's alright
[...]
After every fight
just apologize
and maybe then I'll let you try and rock my body right
even if I was wrong -
you know I'm never wrong. Why disagree? Why, why disagree?
[...]

23 de fevereiro de 2018

Há mil anos atrás

HÁ MIL ANOS ATRÁS

Há mil atrás, todos tivemos pai
todos tivemos mãe, avô,
avó também, há mil anos atrás
fizemos esqui de tapete
pelo corredor encerado
e demos quedas condizentes
com o riso acelerado;
e há mil anos atrás
brincámos em quintais,
subimos às árvores,
arranhámo-nos demais,
e fomos tão bem comportados
nos natais de há mil anos atrás.
Há mil anos atrás íamos ser
polícias, bailarinas, professores,
tirar amígdalas se fôssemos doutores
de diga trinta e três,
pois à mil anos atrás não esperávamos a vez
de ser; há mil anos atrás tínhamos amigos e cão
e ninguém conjugava o verbo solidão.
Há mil anos atrás a vida era nossa,
nem sabíamos que tinha fim.
Há mil anos atrás o mundo era um sim.

21 de fevereiro de 2018

Tempística

TEMPÍSTICA

É Inverno e a Primavera chegou. As árvores tão despidas na avenida,
lá em baixo, não sabem. É que há isto de não saber o que não se pode saber:
como pode a folha chegar antes da hora se tem hora para chegar?
Tudo é isto. Tempística. Tudo quando cabe entre a vida e a morte é.
Fora do tempo, nem folha, nem flor, a regra é a voz do Vento.
Não desceu Ele sobre Zorobabel  e lhe disse,
não pela força, não pelo poder, mas pelo meu Sopro Sagrado?
Tudo é isto. Tempística. Mesmo há pouco, estava a ouvir como nada muda além
da mudança - como gosto de pensar em bíblico, gosto em dança,
e no samba estamos todos em nossas pequenas revoluções previstas,
Nelson Cavaquinho, Cartola, Ataulfo Alves, Candeia, Barbosa, eu sei lá,
sei que o coração não tem actualização, não há upgrade sentimental,
nem pela força nem pelo poder,
se é Inverno e a Primavera lhe chega à avenida, não pode saber,
nenhum templo Zorobabel levanta antes do Vento dizer.
Que me perdoem o quadradismo e se eu insisto neste tema
- e logo cantado por Maysa -
mas não sei fazer poema ou canção que fale de outra coisa que não seja o coração.
Quando no Sopro a tempística chegar, minha musa, minha lira, minha doce inspiração,
você passa, eu acho graça, nessa vida tudo passa, e você passou também
e então vou levantar o segundo Templo de Jerusalém.

Bonjour Mundo!




[...]
Mas a gente gosta quando uma baiana requebra direitinho,
de cima e em baixo, revira os olhinhos
e diz eu sou filha de São Salvador!
[...]
Ôba! Salve a Bahía, Senhor!

15 de fevereiro de 2018

Escola de Santidade

ESCOLA DE SANTIDADE

Talvez eu tenha sido como disse Paulo:
não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço.
Talvez tu tenhas sido como foi Pedro:
jamais me negarias para logo me negares, e mais uma e outra vez.
Talvez os santos nada tenham para nos ensinar.
Talvez o coração nada tenha para aprender.

10 de fevereiro de 2018

Nem fogo nem fogão

Meu amigo Vinicius, leia com seu sotaque, perdão, sutaqui,
esta não-feijoada para sua "feijoada à minha moda"

NEM FOGO NEM FOGÃO

De quando em vez,
alguém me sabe e tudo compreende:
agora mesmo,
teu poema de feijão, rede e gato
para passar a mão -
teu mesmo, Vinicius, pois então.
Porém, olha a falha, sem Cão...
Minha moqueca, minha histórica feijoada,
hoje são nada,
nem cozinho mais.
Se me perguntares,
que é isso menina,
assim, onde vais?
A ti, meu amigo, pergunto-te eu,
e tu, onde estás?